Joelma Leite propõe construção de centro de convenções

Vereadora Joelma LeiteDurante a sessão ordinária desta terça-feira (18), a vereadora Joelma de Moura Leite (PSD) solicitou ao Poder Executivo a construção de um centro de convenções para o município. O pedido foi feito por meio da Indicação nº 89/2017.

Para a parlamentar, que possui formação em economia, é preciso fomentar novos nichos de negócios para a região. “Há a real necessidade de explorar novas matrizes econômicas em nosso município. No entanto, é necessário que estruturas sejam adquiridas e construídas para que de fato essas matrizes aconteçam e prosperem”, destacou Joelma Leite.

 A cidade de Parauapebas é conhecida em todo território brasileiro como a capital do minério. Sua localização geográfica está entre os dois maiores corpos minerais do planeta: as minas de Serra Sul e de Serra Norte, fazendo vizinhança à floresta amazônica protegida pela Floresta Nacional de Carajás, configurando o cenário perfeito para o turismo de negócios e ecoturismo.

 A construção do Centro de Convenções de Parauapebas tem por objetivo atrair os grandes eventos para a nossa cidade, aquecendo a economia local, incluindo toda cadeia turística como hotéis, bares e restaurantes, apresentando uma cidade que alinha potencial tanto no turismo de negócios, como no ecoturismo.

 A vereadora citou o caso de Belém do Pará como exemplo de como essa iniciativa poderia ser benéfica ao município. A capital paraense se tornou referência através do Centro de Convenções Hangar, que receberá pela primeira vez, ainda neste ano, a 27ª edição do Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa (Entmme).

 O Entmme chegou a ser cogitado para acontecer em Marabá, município sede da Unifesspa e de graduações afins ao evento, como engenharia de minas, meio ambiente e engenharia de materiais. Se fosse realizado em Marabá estaria a pelo menos 200 km das minas de ferro, manganês, cobre, níquel e ouro de Carajás, o maior laboratório a céu aberto para quem quer conhecer de onde saem insumos que dão fôlego aos aparatos tecnológicos da vida moderna.

 No entanto, Belém ganhou a disputa, em razão de ostentar público, logística e estrutura física hoteleira para recepcionar palestrantes renomados e todo o staff que será apresentado ao mercado minero-metalúrgico.

 Um estudo divulgado em 2014, intitulado “Pesquisa Impacto Econômico dos Eventos Internacionais Realizados no Brasil”, promovido pela Fundação Getúlio Vargas para a Empresa Brasileira de Turismo (Embratur), revelou que Belém é o quinto destino mais procurado no país para turismo de negócios, atrás de Rio de Janeiro, São Paulo, Manaus e Foz do Iguaçu.

 Este ano, o encontro deve movimentar cerca de R$ 1,5 milhão apenas em transportes, hospedagens e alimentação nos cinco dias de evento. Caravanas de estudantes de, pelo menos, dez estados devem desembarcar na capital paraense para participar do evento, trazendo consumo e injetando moeda corrente em Belém. É o turismo de negócios técnico-científico que se abre para o Pará, estado que ao longo de 2016 movimentou R$ 700 milhões, recebendo pessoas de fora e que, este ano, vai mostrar porque é o centro dos grandes investimentos no setor mineral.

 Diante do objetivo de atrair o turismo de negócios e fomentar a economia da região, o parlamento aprovou a proposição, que será encaminhada para análise de viabilidade e implantação pela administração municipal.

Texto: Josiane Quintino / Revisão: Waldir Silva (AscomLeg)

Comentários

Comentário